encho a cama com corpos jovens, cheios de calor, mas sinto frio, e vejo o mar lá fora e penso como estarás

E passo a noite neste estupido hotel, cheio de bebidas caras, com vista para o mar, vazio sem ti.
E encho a cama com corpos jovens, cheios de calor, mas sinto frio, e vejo o mar lá fora e penso como estarás tu, do outro lado do oceano.
E realizo todas as minhas fantasias, até aquelas que não conhecia, fantasiando com o amor… mas onda após onda sinto o mar chamar-me, sinto vontade de ser carpinteiro e contruir uma jangada, e depois qual marinheiro partir numa noite de trovoada.
E deixo corpos tristes no chão deste quarto de hotel, corpos que depois de conhecerem o prazer conhecem tambem eles o vazio, que filho da puta que sou… faço-me ao mar, talvez por amor, ou por vontade de naufragar, mas sei que não posso ficar… e navego, enfrento o temporal, descubro mundos novos qual Pedro Alvares Cabral, mas não te encontro e sigo viagem, pelo triangulo das bermudas, entro noutra dimensão, o mar canta a nossa canção… e então navego perdido, sem tempo nem idade, navego na paz da minha solidão, rumo à eternidade.

Giacomo Casanova do Bairro Alto

Image

 

About nunoserra6

A falta de Amor é a maior das pobrezas
This entry was posted in Uncategorized and tagged , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Partilha a tua paixao, comenta

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s