Na cidade onde tantos se perdem também nós nos perdemos.

image

Naquela fria noite de Dezembro dois tipos de turistas caminharam pelas ruas de Lisboa, os que queriam explorar a cidade e nós que nos quisemos descobrir.
Foste testemunha quando me perdi no teu olhar em plena Praça da Figueira, tu sabes qual foi o momento, o que não  sabes foi dos espasmos dentro do meu peito e o calor que aqueceu o meu corpo, foi a primeira luz que senti e seguiram-se as outras enquanto atravessáva-mos a Rua Augusta de braço de dado em direcção à  Praça do Comércio. Uma vez lá, morei no aconchego do teu abraço rejubilante por ser como o adivinhara.
Como turista que fui rendi-me a ti e ao encanto natural que nasceu entre nós, mas assim que terminou a viagem voltei para mim, para a terra que conheço tão bem, o meu mundo protegido e deixei-te livre… para seres explorado por alguém que não  seja cobarde e que queira mergulhar no mar ao teu lado.

Posted by sofiarodrigues

This entry was posted in Francesca Bruni and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Partilha a tua paixao, comenta

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s